Sobre

A Argumento Digital

A Argumento Digital atua como uma importante aliada para que você compreenda o cenário  de negócio em que se insere, atua e influencia. Queremos ajudá-lo a traçar estratégias realmente eficazes.

saber mais

Metodologias

Trabalhamos com metodologias que realçam as características e particularidades de cada equipe, explorando e estimulando o que é importante para o grupo e para a realidade de mercado de cada cliente.

saber mais

Certificações Internacionais

Inovação e potencialização de resultados. A Argumento Digital é uma das poucas empresas do Brasil certificadas a trabalharem com a metodologia Lego Serious Play, uma técnica que facilita a comunicação, o pensamento e a gestão de conflitos em ambientes corporativos. Conheça!

saber mais

O que fazemos

Capacitações corporativas

Capacitações corporativas

Planejamento e gestão de projetos

Planejamento e gestão de projetos

Mais do que um bom planejamento em mãos, é preciso ter as condições para colocá-lo em prática.

Consultorias

Consultorias

Auxílio para a tomada de decisões estratégicas e definição de melhores práticas diárias para otimização dos resultados.

Coaching

Coaching

Estímulo aos talentos e criação de condições para que eles se desenvolvam na empresa.

Palestras

Palestras

Cursos e palestras sob medida, desenvolvidos em função das características e necessidades de cada equipe.

Clientes

Últimas do blog

Planejar ou não planejar. Eis aí uma questão?

– “As pessoas aprendem melhor quando colocam a mão na massa.”

– “Erre muito, e erre rápido.”

– “Planeje menos e aja mais.”

Estão aí três exemplos de frases que temos ouvido com frequência e, aliás, com as quais concordamos.  O fazer ocupa um espaço fundamental na construção de conhecimento e, em especial, no processo de tornar tangível o que habita o campo das ideias, das propostas, do que está sendo discutido e planejado. Nosso cérebro precisa mesmo que coloquemos a “mão na massa”, para que sintetize, processe e dê vazão não apenas ao que está no nosso nível consciente, mas no nosso subconsciente. Aqui mesmo, no blog, já falamos sobre o quão conectadas estão as nossas mãos com o nosso cérebro, e sobre a importância de utilizá-las como meio de acesso a instâncias da consciência que não conseguimos acessar de forma espontânea, mas que interferem no nosso comportamento dentro e fora do trabalho.

Ler mais

Do que sofrem as empresas: desvendando fragilidades, criando solidez (post 3)

Há alguns posts iniciamos uma conversa sobre três elementos que, a nosso ver, respondem de forma bastante completa às principais queixas e demandas que chegam a nós, consultores de Marketing e Comunicação. Ainda que esses elementos nem sempre sejam claramente apresentados e identificados pelos nossos clientes, é interessante observar a recorrência com que os diagnósticos e caracterizações de cenário feitos pela Argumento Digital os abordam. Para refrescarmos a memória, falamos sobre:

(1) A visão demasiadamente restrita da empresa sobre seus “Quems”, ou seja, a falta de clareza sobre quais são, o que esperam e o que desejam seus públicos de interesse, e sobre o poder de interferência desses públicos no modelo e nos objetivos de negócio da organização.

(2) A restrição do trabalho de Branding à publicidade institucional e, em função disso, uma vez visão pouco gerencial sobre todos os fatores que estão envolvidos na gestão de marca, e como eles interferem na sobrevivência dos negócios hoje.

Hoje vamos abordar o terceiro ponto desse trinômio:

(3) A falta de clareza das empresas sobre o seu próprio Business Plan, o se que reflete diretamente na ausência de KPIs (Indicadores de Performance) em diferentes níveis administrativos e, dessa forma, na ausência de objetivos claros orientando o trabalho.

Ler mais

Está na hora de trabalhar o desapego

A gente sabe que falar sobre “inovação” no contexto organizacional já virou assunto recorrente e o que não falta no mercado é bibliografia que trate sobre o tema. O texto de hoje não é para discutir a inovação em si, mas vamos partir desse assunto para chegarmos a uma questão um pouco mais ampla e que tem interferido diretamente nos resultados de negócio de organizações diversas.

Vamos começar por uma pergunta bem simples: inovar é para qualquer um?

Provavelmente, você já ouviu dizer que sim. E, realmente, a inovação pode acontecer em qualquer tipo de organização, de qualquer porte ou segmento, uma vez que ela não depende exclusivamente do aporte de investimento financeiro que a empresa está disposta a fazer. Sendo assim, por que ainda não conseguimos ver a inovação como parte da rotina de um grande número de instituições? Essa é uma pergunta que, certamente, tem várias respostas, mas aqui vamos nos ater a uma das possíveis causas dessa questão: o medo de abandonar velhos paradigmas.

Ler mais

Do que sofrem as empresas: desvendando fragilidades, criando solidez (post 2)

Há algumas semanas começamos a discutir aqui no blog fatores que fragilizam o cenário organizacional e que, portanto merecem total atenção dos gestores, independente do segmento ou porte da empresa em que atuam. Para iniciar o papo, falamos sobre a importância de ampliarmos a visão sobre stakeholders, indo além daquela que pensa e planeja ações dedicadas apenas ao cliente final. Avançar nesse sentido importa para que possamos apurar a percepção sobre os tipos de entrega possíveis e relevantes para cada público, em cada contexto. Também retomamos a Comunicação como força endógena e, a partir disso, a importância de buscarmos coerência e credibilidade a partir da convergência entre o que é vivido internamente na organização, e o que é comunicado externamente.

Hoje, dando continuidade a esse assunto, abordaremos a restrição do trabalho de Branding à publicidade institucional, algo comum em muitas empresas, e que acaba culminando em uma visão pouco gerencial sobre os fatores  envolvidos na gestão de marca e, principalmente, sobre como eles interferem na sobrevivência dos negócios hoje.

Ler mais

A hora do diálogo: relacionar-se e rentabilizar

A discussão que vamos propor nesse post tem a ver com uma observação que temos feito ao longo dos estudos que desenvolvemos na Argumento Digital. Temos notado que o termo “desenvolver relacionamento” vem sendo mencionado à exaustão e, assim como outros jargões repetidamente utilizados no Marketing, muitas vezes, tem perdido o seu sentido original, sendo menor dimensionado do que precisaria ser.

Relacionamento com clienteO mergulho que fazemos no modelo de negócio e de atuação de nossos clientes tem nos colocado diante de uma série de novos desafios, sendo um deles a necessidade por um novo tipo de orientação gerencial, que olhe para fora da organização, não apenas para se posicionar diante do novo contexto, mas, principalmente, para entender e conhecer, a fundo, quem são os diversos públicos que fazem o negócio girar. A cada novo estudo que realizamos, percebemos (e verificamos na prática) a importância da organização ter relacionamentos consistentes e sólidos como uma das bases sustentáveis de um negócio.

Ler mais

Do que sofrem as empresas: desvendando fragilidades, criando solidez (post 1)

Nunca fizemos um tratamento estatístico disso mas, depois de um tempo no mercado, naturalmente começamos a perceber a circularidade de algumas demandas. Embora cada cultura e estrutura organizacionais sejam singulares, e que, portanto, haja diferentes processos e formas de tratar as demandas que chegam a nós, consultores, começamos a observar que quase sempre as queixas relatadas e os problemas identificados nas organizações – de diferentes portes e segmentos – são muito similares e convergentes no que diz respeito às suas causas. Os sintomas variam, mas as causas se repetem com bastante frequência.

Ler mais

Foco no cliente: do discurso à prática

Como executivo ou como cliente de inúmeras marcas, produtos e serviços, provavelmente você já disse ou ouviu a frase “nossa empresa está focada no cliente”, acertei? Essa é a bola da vez, e é realmente importante que seja, em especial no Brasil, onde temos tantos problemas relacionados a atendimento e ao cumprimento das entregas prometidas durante a venda. Mas o que de fato significa estar focado no cliente? Como toda afirmação que se populariza e passa a ser replicada, esta, de foco no cliente, está diante de um enorme desafio: sair do discurso para encontrar a prática. No post de hoje vamos discutir um pouco sobre como isso pode acontecer.

Ler mais

Quem Somos

imagem_luiza

Maria Luiza Tavares

Owner

À frente da Diretoria de Análise e Validação Estratégica da Argumento Digital, Maria Luiza é publicitária, especialista em Produção em Mídias Digitais e Mestre em Linguagem e Tecnologia. Professora universitária, planner e consultora, trabalhou ao lado de grandes empresas, inclusive internacionais, realizando auditorias, coaching e desenvolvendo planos estratégicos, sempre com foco em Marketing Digital. Em 2012 fundou a Argumento Digital.

imagem_mari

Mariana Anselmo

Owner

Mariana Anselmo está à frente da Diretoria de Gestão de Contas e Relacionamento e do setor de pesquisas da Argumento Digital. É Publicitária, especialista em Produção em Mídias Digitais e Marketing Digital, além de ter estudado Gestão da Criatividade na HÉC Montreal (Canadá) e na Universitat de Barcelona (Espanha), e Gestão da Inovação na Sussex University (UK). Já esteve envolvida com projetos de clientes de segmentos diversos, sempre com foco no desenvolvimento e na implementação de estratégias que contemplem a nova realidade que o mercado e a sociedade vivem, em especial a partir das mudanças trazidas pelas novas mídias. Em 2012 fundou a Argumento Digital.

Contato

Fale com a Argumento Digital

Seu nome*

Seu e-mail*

Assunto

Sua mensagem